Muitas pessoas têm o sonho de mudar alguma característica física ou corrigir algum problema de saúde através de cirurgias plásticas. Mas nem sempre é possível, por causa de outros problemas de saúde.

Antes de fazer qualquer cirurgia plástica, é necessário avaliar o estado geral de saúde do paciente para saber quais procedimentos são os mais indicados e seguros para tratar de cada situação. Caso isto não seja respeitado, aumentam as chances de complicações durante o procedimento.

Neste texto, apresento os principais problemas de saúde que podem inviabilizar uma cirurgia plástica. No entanto, fica a recomendação de se consultar com um cirurgião plástico de confiança e membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica para uma avaliação completa e detalhada.

Problemas de saúde que impedem cirurgias

De forma geral, se o paciente apresenta problemas de saúde controlados, na maioria das vezes é possível fazer a cirurgia plástica. O paciente é sempre acompanhado de perto junto dos especialistas e do cirurgião plástico. Mas ainda assim, alguns deles costumam ser problemáticos e merecem atenção especial. Veja alguns deles abaixo:

Pressão alta

A hipertensão arterial é uma condição bastante comum entre a população brasileira. Se o paciente for hipertenso controlado com medicação e acompanhamento cardiológico, a cirurgia não estará contraindicada. São feitos sempre os cuidados específico e a necessidade de interromper previamente alguma medicação é avaliada.

Durante a consulta pré-anestésica o anestesista irá investigar essa doença do paciente, para escolher os melhores medicamentos e garantir o bem-estar. 

Porém, se o quadro não for controlado, o procedimento não é indicado. Ele deverá ser encaminhado para o cardiologista a fim de controlar a pressão. Só depois disso a cirurgia plástica se torna viável. 

Diabetes

O mesmo ocorre com a diabetes. Em pacientes controlados a cirurgia plástica não está contraindicada. Também são tomados cuidados especiais durante pré-operatório, intra e pós-operatório.

Da mesma forma, em pacientes que não estão controlados, a cirurgia plástica está contraindicada. 

Doenças reumatológicas

É sempre feito acompanhamento com um médico reumatologista e discussão de cada doença individualmente. Em algumas doenças como o lúpus, por exemplo, é melhor o paciente evitar cirurgias que não sejam estritamente necessárias.

Porém cada caso é avaliado de maneira individual. É conversado com o profissional que acompanha o paciente para que a decisão sobre a cirurgia plástica seja feita em conjunto. 

Trombose e embolia

Em pacientes que já apresentaram trombose e embolia geralmente não é indicado o procedimento cirúrgico eletivo. Existe risco de ocorrência de um novo evento tromboembólico após a cirurgia plástica.

Portanto, o melhor é prezar pela saúde e segurança do paciente e não correr o risco. 

Transtornos psicológicos e emocionais

É importante saber identificar se o paciente apresenta algum transtorno de autoimagem, depressão ou outros transtornos psicológicos que podem influenciar nas expectativas que ele tem do procedimento cirúrgico. Normalmente esse paciente apresenta expectativas irreais quanto ao resultado, o que pode ser um problema.

Sendo assim, nesses casos, é indicado que o paciente faça previamente acompanhamento médico e psicológico antes de se submeter a uma cirurgia plástica. 

Ficou com alguma dúvida? Comente aqui embaixo! Terei prazer em responder.

Quer saber mais?